Saiba como se livrar das manchas pretas que aparecem nas folhas e frutos dos seus pés de laranja, limão e tangerina.

Deixar as frutas mais feias não é o único problema que a fumagina causa. A camada escura criada pela praga impede a fotossíntese e a troca gasosa da planta atacada. Como resultado, há queda na produtividade do pé atacado, além de risco ao crescimento e a sobrevivência da planta.

O que são essas manchas?

Essa aparência enegrecida nas plantações de frutos cítricos é o resultado de dois fatores: insetos parasitas e fungos.

Quando invasores, como a cochonilha e o pulgão, atacam os pés de citros, eles sugam a seiva e depois defecam uma solução com alto teor de açúcar. Então, o fungo, fumagina, se desenvolve a partir da substância açucarada que os insetos liberam, parasitando o pé frutífero.

Leia também nosso artigo explicando como combater a cochonilha na produção de limão Taiti:

Como controlar?

Para áreas comerciais, a recomendação é fazer o combate dos invasores com o uso de inseticidas. Porém, para o produtor escolher qual defensivo usar e o modo de operá-lo, é preciso seguir as recomendações de um agrônomo.

Caso você tenha uma plantação mais caseira, existe uma opção mais simples: uma mistura de óleo mineral e água. A solução é feita com cerca de 0,5% a 1% de óleo mineral em relação ao volume de água. Exemplo: para cada 10L de água, será adicionado de 50ml a 100ml de óleo mineral.

Então, a solução é aplicada nas plantas atacadas pela fumagina, focando nos locais atingidos pelo fungo e pelos insetos. A mistura é capaz de limpar a camada preta do pé de fruta e matar os invasores por asfixia.

Muitas vezes, apenas uma pulverização resolve o problema, mas caso ainda persista o fungo, pode-se fazer uma nova aplicação de 7 a 10 dias depois.

Utilize o CPT Agropédia e Receituário Agronômico para te ajudar a controlar a praga da sua lavoura. Entre seus benefícios, o CPT Agropédia e Receituário Agronômico te oferece um banco de dados com mais de 5 mil documentos referentes a defensivos agrícolas, ingredientes ativos, plantas daninhas, insetos e doenças.

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *