Embrapa informatizando a adubação

Embrapa informatizando a adubação

A Embrapa Solos elabora tecnologia com o objetivo de ter informações sobre o adubo orgânico produzido. A pesquisa simula as condições do campo em laboratório a partir de biorreatores.

Compostagem

Com o tempo, o solo fica saturado e perde a capacidade de absorver o esterco bruto, fazendo-se necessário reutilizar o material na forma de adubo.

Para controlar a adubação da sua lavoura, utilize a tecnologia a favor do seu negócio: utilize o CPT Adubação Premium. Clique no link para mais informações:

Para a formação do adubo é utilizada a compostagem, técnica de melhoramento das condições de fertilidade do solo através do tratamento dos resíduos orgânicos. Dentre os resíduos usados para este processo está o esterco animal, bagaço de cana ou sobras de hortaliças.

A pesquisa

O laboratório fica na sede da Embrapa Solos, na cidade do Rio de Janeiro. Lá fica uma série de biorreatores, máquinas que simulam as condições do campo e aceleram as reações químicas em ambiente controlado. Com esta tecnologia, é possível ajudar produtores de resíduos que queiram fazer sua compostagem.

Com os biorreatores, o estudo é facilitado, já que não há necessidade de formar grandes volumes de resíduos para analisar a compostagem. A análise é feita em menor escala.

Saiba mais sobre adubação das pastagens, um dos principais desafios para a pecuária no Brasil:

No laboratório, acontece todo um acompanhamento online de temperatura, respirometria, oxigênio, CO2, amônia e metano. Os dados são obtidos em tempo real.

Assim, é possível fazer avaliações mais aprofundadas do processo de compostagem. As novas misturas, resíduos, inoculantes ou aditivos podem ser testados com bastante rapidez. Em 24 horas saem os resultados.

Atualmente, a pesquisa tem uma parceria com o Rancho São Francisco de Paula, que produz hortaliças em Teresópolis (RJ). A Embrapa ajuda a propriedade no aproveitamento dos seus resíduos, do processamento à comercialização do excedente.

Para fazer a compostagem, procure profissionais especializados, como os pesquisadores da Embrapa Solos.

Fonte: Giro do Boi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *