Você, produtor de café, tem percebido que sua adubação não rende a produtividade esperada? Para melhorar isso, faça uma análise do solo.

Laboratórios especializados podem te ajudar avaliando uma amostra da terra que você cultiva. Esse teste mostrará quais os nutrientes que têm faltado para as suas plantas, e indicará a melhor adubação para a lavoura.

Quer saber mais sobre café? Leia também este artigo sobre os impactos da pandemia no setor:

Dividindo o talhão

É preciso coletar porções de solo do talhão de café que o produtor deseja adubar.

Para isso, se divide os talhões de café em áreas iguais, de no máximo 10 hectares. Serão coletadas 20 amostras para cada divisão, com o máximo de abrangência possível. O processo deve ser feito 60 dias depois da última adubação.

O local certo para a retirada da terra é a faixa de adubação, que fica debaixo da saia do cafeeiro. É neste ponto onde ficam as raízes das plantas, e onde são feitos todos os tratos culturais.

Capturando amostragens de solo

Depois de cavar um buraco de 20 centímetros de profundidade com a enxada, junte a porção de terra às outras amostras dentro do mesmo balde. A terra do balde deve ser bem misturada, para homogeneizar a amostra.

Outras ferramentas também servem para a coleta, como o trado holandês ou a sonda. Ambas levam ao mesmo procedimento: Atingindo os 20 centímetros de profundidade, a ferramenta é retirada, e leva-se esta terra para o balde. Independente da ferramenta, o importante é fazer uma coleta bem feita.

Por fim, deve-se colocar 500g da terra misturada em uma sacola plástica. Os laboratórios oferecem uma sacolinha feita para este procedimento, mas pode-se usar uma comum, desde que ela esteja totalmente limpa, sem quaisquer resíduos que possam alterar o resultado do teste.

Com o software certo, você poderá interpretar a análise química e física (granulométrica) do solo. Para isso, utilize o CPT Adubação premium! O programa é capaz de calcular para você a adubação de lucro máximo, adequando os fatores de rendimento e custo com as necessidades da cultura:

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *